Evangelho

Eu sou o pão que desceu do céu (Jo 6, 41-51) [Ir. Florinda Dias Nunes]

Quinta-feira, 6 de agosto de 2015 – 0h01min

O texto deste 19º domingo do Tempo Comum é Jo 6,41-51 e continua o discurso de Jesus sobre o pão que desceu do céu.
Conteúdo e contexto
No domingo passado a multidão havia pedido a Jesus: “Senhor, dá-nos sempre desse pão” (v. 34). Neste, ele faz a grande declaração: “Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim não terá mais fome, e quem acredita em mim nunca mais terá sede” (v. 35). Portanto, a narração se dá ainda junto ao Mar da Galileia onde Jesus havia multiplicado os pães (cf. v. 19). Nos vv. 41-51 acontece toda uma situação de crítica a este Jesus que se declara Pão Vivo, enviado pelo Pai. Podemos destacar três momentos nesta perícope:
1) vv. 41-42 – os adeptos da instituição criticam Jesus
A perícope começa introduzindo novas personagens, os adeptos da instituição, diante da declaração anterior de Jesus apresentam como objeção a sua origem humana, que para eles é incompatível com a sua qualidade divina (cf. vv. 41-42), pois “conhecem” sua origem e não conseguem ver nele a divindade. Assim como os hebreus murmuraram no deserto (cf. Ex 16,7-8), querendo retornar ao Egito, terra da escravidão e da morte, eles também murmuram. Não admitem que Jesus venha de Deus. Jesus, plenamente humano, vem de Deus e é a revelação perfeita de Deus. Por que separar Deus do humano?
Com o prólogo (1,14) aprendemos que o humano Jesus é o ponto de encontro de Deus com a humanidade. O próprio Deus conduz as pessoas a essa descoberta. Só resta deixar-se guiar por Deus que se dá a conhecer plenamente humano na pessoa de Jesus. Estar do lado da vida é estar do lado de Deus. Jesus garante que quem está a favor da vida que nele se manifesta terá vida para sempre. A humanidade de Jesus é pedra de tropeço para os líderes. Já para a comunidade joanina a glória está justamente em Jesus de Nazaré, feito homem: “A Palavra se fez homem e habitou entre nós. E nós contemplamos sua glória: glória do Filho único do Pai cheia de amor e fidelidade” (Jo 1,14).
Quando Jesus assume a expressão “Eu sou” (v. 41b) está assumindo o Nome do Deus libertador do AT (cf. Ex 3,14-15). É ele o presente-pão de Deus para a vida da humanidade. A expressão “Quem vem a mim … ” recorda o convite da Sabedoria no AT que convocava todas as pessoas ao banquete da vida (cf. Pr 9,1-6). É a vida presente em todas as coisas que Deus criou. Jesus se revela como a Sabedoria que produz vida sem fim, superior à Sabedoria do AT.
2) vv. 43-46 – os verdadeiros motivo da oposição a Jesus
Jesus revela, em primeiro lugar, qual é o motivo de sua oposição a ele, a falta de interesse pelo homem, por não conhecerem a Deus como Pai (cf. vv. 43-46). A beleza do projeto de salvação está justamente no fato de Deus ter assumido a humanidade na pessoa de Jesus. Ele se tornou o ponto de referência indispensável para entendermos quem é Deus. Aderindo à humanidade de Deus em Jesus, as pessoas passam da morte à vida. “Eu o ressuscitarei no último dia” (v. 44b).
Os fariseus chegaram a admitir a ressurreição como fruto da observância da lei. Jesus garante que a ressurreição depende da adesão a ele e a seu projeto. Ele é a nova lei que Deus oferece à humanidade. Esta afirmação é confirmada quando o texto diz: ‘Todos serão discípulos de Deus’ (v. 45a), citação esta que se encontra também em Is 54,13 e Jr 31,33. O evangelho confirma este anúncio profético quando diz que Deus inscreveu a nova lei na pessoa de Jesus, e “todo aquele que escuta o Pai e aceita seu ensinamento adere a Jesus” (v. 45b), porque ele é o único que está junto de Deus (cf. Jo 1,18) e vê continuamente o Pai (v. 46; cf. 1,2).
 3) vv. 47-51 – o Pão da vida Jesus, em contraposição ao maná
Em seguida, ele se declara pão de vida em lugar do maná que não conseguiu levar o povo do Egito à terra prometida (cf. vv. 47-51). Jesus comunica a vida doando-se a si mesmo, em sua realidade humana, até à morte. A aceitação deste seu dom e a assimilação vital dele (comer a sua carne e beber o seu sangue) são para o homem fonte de vida (novo maná) e norma de vida (nova Lei).
Para os fariseus, porém, a ressurreição seria o prêmio que Deus daria aos que observassem a Lei. Jesus garante que a ressurreição é o prêmio para os que aderem à vida que ele comunica. A nova lei é dar adesão a Jesus, aquele que comunica vida em plenitude. Aderindo a Jesus, o doador da vida, nós conhecemos o Pai; e reconhecemos que ele nos atrai a partir daquilo que temos em comum: o desejo de vida plena. Jesus, portanto, é caminho: trouxe a vida de Deus para dentro da nossa caminhada e endereça nossa caminhada para a vida plena em Deus.
Crer em Jesus doador da vida, provoca um novo êxodo, um direcionamento novo para toda a existência. Abre-nos os olhos para perceber que vivemos num mundo em que a morte procura sufocar a vida a todo custo; une nossas forças para que a vida se manifeste do jeito que Deus quer: para todos.
Dentro desse esforço de fazer a vida acontecer, Jesus se torna alimento que sustenta para sempre: “Eu sou o pão vivo que desceu do céu. Quem come deste pão viverá para sempre. E o pão que eu vou dar é a minha própria carne, para que o mundo tenha vida” (v. 51). É ele o Cordeiro da nova Páscoa. Morre na hora em que os cordeiros eram imolados para a páscoa dos judeus. Vai dar sua carne morrendo por amor. Seu sangue preservará da morte para sempre. A melhor resposta que podemos dar ao dom de Deus é acolher Jesus como aquele que se doa totalmente a nós.
Concluindo
Para os cristãos, a Eucaristia é o memorial da doação plena de Jesus. Comer sua carne e beber seu sangue provoca entre ele e as pessoas uma união inseparável, capaz de suscitar a vida que não termina. A expressão: “comer sua carne e beber seu sangue”, era sinônimo de assimilação da pessoa de Jesus na sua totalidade: aceitá-lo como dom do Pai e dar-se como dom de vida para a humanidade. Comungar, portanto, é acolher Jesus na sua totalidade. Com esta expressão o evangelho se abre à dimensão universal. A nova lei não é inscrita só num povo, mas em todos os que desejam ser discípulos de Deus. A comunidade dos que crêem, portanto, é comunidade aberta, como o projeto de Deus, que é proposta feita a todos. Deixemos que a Palavra nos transforme em verdadeiros discípulos missionários e como Jesus, pão doado, pão partilhado, colaboremos para que a vida reine em plenitude em nossas comunidades.
(cf. BORTOLINI, José. Como ler o evangelho de João. O caminho da vida.São Paulo, 1994, Paulus, p. 75-79; MATEOS Juan – BARRETO Juan. O Evangelho de João, análise lingüística e comentário exegético. Paulus, São Paulo 1999, p. 326-331 e DUFOUR, Xavier Léon. Leitura do Evangelho segundo João II. São Paulo 1996, Loyola, p. 95.111-119)

Fonte: Disponível em: http://www.irmaspastorinhas.com.br/liturgia//l_87/XIX_domingo_%20tc_anob_com.pdf

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s